CONVIDADOS

Claudio Acosta

(Mbyá Guarani, RS)


é uma liderança Mbya Guarani, Cacique da Tekoà Guajayvi, em Charqueadas, território localizado na área de influência direta da Mina Guaíba.
 

Gilda Wankyly Kuita

​(Kaingang, PR)

Gilda Kuitá formou-se na primeira turma de professores bilíngues (Kaingang e Português) da região Sul da década de 70. Atuou durante 40 anos como professora indígena em territórios no Paraná e Santa Catarina. Atualmente, professora aposentada, é uma das mentoras do coletivo de juventude indígena Nen Ga.
 

Katu Mirim

(Bororo, SP)

 

O nome Katú Mirim nasceu através do batismo Nhemongarai, do povo Guarani Mbya. Hoje o nome Katú se tornou também seu nome artístico. Apesar de ter sido reconhecida e batizada pelos Guarani Mbya da Terra Indígena do Jaraguá (SP), Katú tem ascendência Boe Bororo, clã Bokodori Ecerae, de Mato Grosso. Nascida e residente na periferia do interior paulista, a artista independente iniciou sua carreira no Hip Hop cantando sobre sua experiência de mulher indígena vivendo longe da sua aldeia ancestral.

Majur Traytowu

(Bororo, MT)

Majur é um indígena LGBTQ+ com muitos nomes; é Boe (Bororo), eceraedo, Badojebage e Kie. Por consideração, também é tugaregedo dos Iwagududoge. Nasceu em Tadarimana em Rondonópolis (MT). Hoje, mora na aldeia de sua mãe, Apido Paru. Trabalha como agente de saúde. Desde pequeno, atua como mediador de sua comunidade com não indígenas. 

Patrícia Ferreira (Pará Yxapy)

(Guarani Mbya, RS)


Patrícia Ferreira é professora e realizadora audiovisual indígena da etnia Mbyá-Guarani. Mora na Aldeia Ko’enju, em São Miguel das Missões/RS. Participou do projeto Vídeo nas Aldeias, produzindo diversos filmes e é cofundadora do Coletivo Mbyá-Guarani de Ci­nema.

Pat-i Kayapó

(Kayapó, Xingu)

Cineasta e jovem liderança kayapó da aldeia Aukre, na beira do Rio Xingu. Integrante do Coletivo Beture de Cineastas Mêbengokre. O Coletivo Beture reúne jovens cineastas de diversas aldeias da Terra Indígena Kayapo, surgiu através da vontade dos mais velhos de registrar o movimento cultural e a luta política para assegurar os conhecimentos tradicionais dos Kayapó.

Timóteo Karai Mirin

(Mbyá Guarani, RS) 

 

Liderança Mbya Guarani que steve junto a seu povo em lutas por  demarcações de terras tradicionais: no Morro dos Cavalos, Morro Palha, Imaruaí e Cantagalo. Há um ano  e cinco meses Timóteo lidera outra demanda por terras na Retomada da Ponta do Arado na zona sul da cidade de Porto Alegre.

Eliane Boroponepa Monzilar

(Umutina, Mato Grosso)

Eliane Boroponepa Monzilar é a primeira mulher indígena doutora em Antropologia Social pela UNB, atuando também como professora na escola indígena da TI Umutina, em Mato Grosso.

Iracema Gãh Té Nascimento

(Kaingang, RS)

Liderança, Kujá (xamã) do povo Kaingang e pesquisadora da Ação Saberes Indígenas na Escola, projeto do Ministério da Educação (promovido pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão) no núcleo de atuação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Iracema, a partir dos seus saberes tradicionais e sua atuação política, participa da formação de professores, jovens, crianças e lideranças Kaingang do RS.

Kubekokre Kayapó

(Kayapó, Xingu)

Cineasta e jovem liderança kayapó da aldeia Arikaro, na beira do Rio Xingu. Foi o diretor de fotografia do filme “A Mulher Tartaruga: meõ nire o kaprãn”. Integrante do Coletivo Beture de Cineastas Mêbengokre. O Coletivo Beture reúne jovens cineastas de diversas aldeias da Terra Indígena Kayapo, surgiu através da vontade dos mais velhos de registrar o movimento cultural e a luta política para assegurar os conhecimentos tradicionais dos Kayapó.
 

Maurício Salvador

(Mbyá-Guarani, RS)

Maurício Salvador é uma liderança Kaingang, Cacique da Retomada Vēntánh, localizada no município de Canela (RS)
 

Pará Rete

(Guarani Mbyá, RS)

é da Teko Jatai'ty e tem 14 anos. Desde os 13 anos começou a brincar com a câmera fotografando e filmando o seu cotidiano. Na IV edição da Tela Indígena, irá apresentar o seu primeiro curta.

Pedro Garcia

(Kaingang, Rio Grande do Sul)


Kujá (xamã) do povo Kaingang e filho do ancião mais velho deste povo, Jorge Garcia. Pedro é pesquisadora da Ação Saberes Indígenas na Escola, projeto do Ministério da Educação (promovido pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão) no núcleo de atuação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A partir dos conhecimentos ancestrais e das potências provenientes do mato, circula entre Terras Indígenas, participando da formação dos jovens e lideranças e residindo, atualmente, na Terra Indígena Fó Xá, localizada no município de Lajeado.

Vherá Xunú

(Mbyá Guarani, RS)

Vherá Xunú é cineasta Mbya Guarani, estudante da escola Nhamandu Nhampopuã, na Tekoá Pindó Mirim, em Itapuã. É uma liderança jovem e faz parte da comissão Guarani Yvyrypa (CGY) como comunicador.