Projetos em andamento

MBORAI MBARAETE - ALCANCE DA MÚSICA SAGRADA

Mborai Mbaraete - Alcance da Música Sagrada é um filme que está sendo produzido por realizadores da Comunicação Kuery  (coletivo de comunicação Mbyá Guarani), Tela Indígena e a produtora Blue Bucket Filmes Ldta.

O filme está sendo realizado com recursos do Governo do Estado do Rio Grande do Sul por meio do Pró-cultura RS FAC – Fundo de Apoio à Cultura.

Realizadores e Parceiros:

Comunicação Kuery é um coletivo de comunicação Mbyá-Guarani que surgiu em 2013, a partir da necessidade, apontada pelas lideranças indigenas, de registrar a vida e o cotidiano nas aldeias impactadas pelas obras de duplicação da BR-116, no trecho entre Guaíba e Pelotas, no Rio Grande do Sul. O coletivo já produziu diversos vídeos, de vários formatos. Em 2018, lançaram o documentário Ka’aguy Rupa, que já foi exibido na Mostra de Cinema Tela Indígena. Além desse documentário, o vídeo Dias de Luta também já foi exibido na mostra.

Blue Bucket films & content é uma produtora audiovisual multidisciplinar que está em parceria com a Tela Indígena para realização do projeto.

MBORAYVU: IMAGENS E MENSAGENS INDÍGENAS PARA CIDADE

Mborayvu: imagens e mensagens indígenas para a cidade é um projeto de produção e exibição de narrativas visuais que serão exibidas na cidade de Porto Alegre, em 2021. Quatro equipes de realizadores Mbyá Guarani estão produzindo, em seus territórios, imagens que serão projetadas em prédios pelo Coletivo de VJ Projetores pela Cultura, durante 4 dias.

Em função da pandemia do COVID-19, muitos realizadores e trabalhadores da cultura foram afetados em seus trabalhos. Pensando nisso, o projeto evita aglomerações, mas aproxima diferentes territórios e o espaço urbano através da imagem. Assim, a arte Mbyá Guarani circula na cidade, demarcando territórios. Serão quatro mensagens aos não indígenas que ocuparão as paredes de prédios de quatro pontos de grande visibilidade, reafirmando esses espaços como um local a ser ocupado pela presença do conhecimento Mbya.

O projeto está sendo realizado com recursos da Lei no 14.017/2020.

Realizadores e Parceiros:

Gerson Gomes Wherá faz parte e é um dos iniciadores do Coletivo audiovisual de jovens Mbyá-Guarani, Comunicação Kuery. O coletivo formou-se em outubro de 2012 a partir da necessidade apontada pelas lideranças indígenas de registrar a vida e o cotidiano nas aldeias. O coletivo teve continuidade realizando documentários e vídeos que buscam dar uma maior visibilidade ao povo Guarani.

O Coletivo Mbyá-Guarani de Cinema é composto por realizadores do povo Mbyá-Guarani, quepassaram pelas oficinas de produção audiovisual da ONG Vídeo nas Aldeias. O Coletivo, ativodesde 2007, reúne cineastas que usam a linguagem do audiovisual como expressão artística epolítica. Suas produções são exibidas em festivais e exposições nacionais e internacionais.Atualmente conta com os realizadores Patrícia Ferreira Pará Yxapy, Ariel Kuaray Ortega e AldoKuaray Ferreira.

Vherá Xunu é indígena Mbya Guarani, em 2016 foi convidado a fazer parte do grupo de Comunicadores Mirim da Comissão Yvyrupa, em que trabalhou durante três anos divulgando, fotografando e filmando eventos Guarani. Seu primeiro filme se chamou “Perigo na Mata” (2016) e seu último lançamento foi “O despertar do divino Sol” (2019), ambos curtas-metragens.

Pará Reté é uma indígena Mbya Guarani de 14 anos que iniciou sua trajetória no audiovisual sendo fotógrafa da III Mostra Tela Indígena (2018) e, em 2019, gravando seu primeiro curta-metragem “Kyringue Rory’i: o sorriso das crianças”

Coletivo Projetores pela Cultura reuniu-se pela primeira vez para apoiar a aprovação da Lei de Emergência Cultural, diante da pandemia do coronavirus e isolamento, que fez artistas e ativistas ligarem seus projetores das janelas de casa para protestar, levar arte e se comunicar com a vizinhança. A ideia reúne VJ que moram diversos bairros de Porto Alegre. Desde de marços de 2020, início da pandemia, o coletivo realizou muitas ações solidárias e protestos por direitos civis. Projetou projetos relacionados aos 25 anos da Escola Porto Alegre - EPA e em apoio ao aborto legal. Os manifestos virtuais e performances artística é o que vem compondo o conteúdo das projeções destes VJ. Trabalhou com Bloco da Laje e estará realizando as projeções da programação do 27 Porto Alegre em Cena e do Cine Esquema Novo.

AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

Projeto de fomento e fortalecimento do circuito de cinema indígena no Rio Grande do Sul através da aquisição de  equipamentos audiovisuais para os coletivos Tela Indígena, Coletivo Comunicação Kuery e o Coletivo Mbya Guarani de Cinema, que são grupos que têm uma ampla e longa trajetória de produção audiovisual no Estado do Rio Grande do Sul.

O Comunicação Kuery é formado por cineastas Mbya Guarani gaúchos, que, desde 2011, produzem reportagens, vídeos e documentários sobre a realidade indígena em nosso Estado. Simultaneamente, o grupo Comunicação Kuery realiza desde 2016 o Cine Tekoá (aldeia, em Guarani), cuja intenção é divulgar e democratizar o cinema nas comunidades indígenas. O objetivo do Cine Tekoa, sendo itinerante é, justamente, reforçar a conexão entre artistas e comunidades, ou seja, a relação entre o grupo de cineastas Mbya que produzem cinema e as comunidades que lhes dão apoio e podem assistir a seus filmes.

Já o Coletivo Mbyá Guarani de Cinema começou suas atividades em 2007, quando ocorreram as primeiras oficinas de formação audiovisual do projeto Vídeo nas Aldeias na Terra Indígena Koenju, em São Miguel das Missões. Esse coletivo conta com nomes como Patrícia Ferreira, Ariel Ortega e Aldo Ferreira, diretores Mbya Guarani premiados nacional e internacionalmente por suas produções, como Bicicletas de Nhanderu e Tava, a Casa de Pedra.

O projeto tem financiamento da Lei no 14.017/2020.

PODCASTS

A Tela Indígena está se repensando nesse período de isolamento social. Convidamos amigos e amigas parceiros da Tela para conversar. São dois episódios de podcast: “Histórias Guarani à beira do fogo” com Araci da Silva e "Flechas Imagéticas" com Gerson Gomes. Os episódios podem ser acessados pelo instagram, pelo youtube ou soundcloud.

O episódio “Histórias Guarani à beira do fogo” tem a intenção de divulgar as várias e pouco conhecidas histórias que são contadas às crianças do povo Guarani. Para isso, nós conversamos com Araci da Silva, que é uma mãe e estudante de enfermagem Mbya Guarani. As histórias que nós vamos ouvir são as mesmas que ela ouviu de seus pais e avós e que ela hoje conta a sua filha.

O episódio “Flechas imagéticas: a imagem como uma flecha de resistência" tem intenção de apresentar o cinema indígena na perspectiva do coletivo Comunicação Kuery. Para isso, conversamos com o cineasta Gerson Gomes, do povo Mbyá Guarani, que faz parte do Coletivo Comunicação Kuery, que reúne diversos realizadores Mbyá Guarani de audiovisual.

Ambos projetos foram selecionados pelo edital de Financiamento de Projetos Culturais Digitais, do Pró Cultura RS FAC Fundo de Apoio a Cultura em parceria com a Universidade Feevale.

DA CÂMERA À TELA: CINEMA E REALIZADORES INDÍGENAS NO RIO GRANDE DO SUL

Da câmera à Tela: cinema e realizadores indígenas no Rio Grande do Sul  é um textoque fala sobre o cinema feito por cineastas indígenas do Rio Grande do Sul. Nessa produção quatro realizadores Mbyá Guarani contam suas trajetórias, suas primeiras experiências com o cinema, as diferentes maneiras que o audiovisual entrou e se faz presente nas terras indígenas. Patrícia Ferreira Para Yxapy, da Terra Indígena Ko’enju em São Miguel das Missões; Gerson Karaí Gomes, da Terra Indígena da Estiva em Viamão; Vhera Xunu, da Terra Indígena Itapuã em Viamão; e Pará Rete, da Terra Indígena do Cantagalo, também em Viamão. O texto apresenta uma lista com 22 produções audiovisuais realizadas cineastas indígenas do Rio Grande do Sul. Não é uma lista completa dessas produções realizadas no Estado, mas pode ser um início para quem está interessado em conhecer os povos indígenas da região, suas vidas, demandas e modos de ser.

Esse projeto foi contemplado pelo edital emergencial de auxílio à cultura – Processo seletivo de propostas artísticas, formativas e documentais da cadeia produtiva da cultura, através da prefeitura de Porto Alegre, sua Secretaria Municipal da Cultura e por meio da Coordenação de Cinema e Audiovisual.